O jornalista, apresentador e radialista Ricardo Eugênio Boechat morreu no início da tarde desta segunda-feira (11), aos 66 anos, em São Paulo.

Boechat era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e colunista da revista “IstoÉ”.

Ao longo de 49 anos de carreira, que iniciou no começo da década de 1970, escreveu em jornais como “Diário de Notícias”, onde começou, “O Globo”, “Jornal do Brasil”, “O Estado de S. Paulo” e “O Dia”.

De 1990 a 2001, fez parte da equipe do “Bom Dia Brasil”, na TV Globo, com uma coluna diária marcada pelo humor ácido e pela irreverência. Na emissora, também esteve no “Jornal da Globo”. Foi ainda diretor de jornalismo da Band e teve passagem pelo SBT.

O jornalista deixa a mulher, Veruska, e seis filhos.

O corpo de Boechat será velado a partir das 22h no Museu da Imagem e do Som (MIS), no Jardim Europa, em São Paulo.

Na manhã desta segunda, Boechat deu uma palestra a representantes da indústria farmacêutica em Campinas, no interior do estado. Ele retornava a São Paulo, por volta das 12h, e deveria pousar no heliponto da Band, no Morumbi, Zona Sul da capital paulista.

Filho do diplomata, Dalton Boechat, que foi assessor da Petrobras, Ricardo Eugênio Boechat nasceu em 13 de julho de 1952, em Buenos Aires, na Argentina. O pai estava a serviço do Ministério das Relações Exteriores na Argentina.

Boechat era recordista de vitórias no Prêmio Comunique-se – e o único a ganhar em três categorias diferentes (Âncora de Rádio, Colunista de Notícia e Âncora de TV).

Em pesquisa do site Jornalistas & Cia em 2014, que listou cem profissionais do setor, Boechat foi eleito o jornalista mais admirado.

Em 1998, Boechat lançou ainda o livro “Copacabana Palace – Um hotel e sua história” (DBA) – aos 17 anos de idade, havia sido assessor de imprensa do hotel.

Fonte: G1 SP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here