Como surgiu o grupo de guerreiros de são Jorge em santa Brigida – Bahia

GUERREIRAS DE SANTA JOANA D´ARC

Na década de 50 Madrinha Dodô teve a ideia de formar uma brincadeira religiosa louvando santa Joana D’Arc, e convidou apenas moças donzelas e uma viuvá para a formação do primeiro grupo de guerreiras.

Elas vestiam trajes de santa Joana D’Arc, formavam duas filas, a chefe a senhora Maria Gonçalves (Bilu) ficava a frente para tirar os hinos e Carmelita Manuncá ficava no meio da fila sendo a Joana guerreira, usavam espadas de madeira, cantavam hinos voltado para santa e dançavam conforme os passes que madrinha Dodô ensinou e se apresentavam nas festas de são pedro e dias santos.

Passando alguns anos as moças foram se casando e madrinha Dodô terminou acabando com o grupo de guerreiras de Joana D’Arc em santa Brigida.

GUERREIRO DE SÃO JORGE

Conhecido como ‘o grande mártir’, foi martirizado no ano 303, pertenceu a um grupo de militares do imperador romano Diocleciano, que perseguia os cristãos. Jorge então renunciou a tudo para viver apenas sob o comando de nosso Senhor, e viver o Santo Evangelho.

São Jorge não queria estar a serviço de um império perseguidor e opressor dos cristãos, que era contra o amor e a verdade. Foi perseguido, preso e ameaçado. Tudo isso com o objetivo de fazê-lo renunciar ao seu amor por Jesus Cristo. São Jorge, por fim, renunciou à própria vida e acabou sendo martirizado.

Ao receber um presente da imagem de São Jorge vinda do Rio de Janeiro, madrinha Dodô resolveu fazer a festa com novena nos dias 20, 21, 22 e 23 de abril homenageando o santo guerreiro ainda na igreja de são pedro.

Na década de 60 seu Jose Caetano, um romeiro de Pedro Batista pediu autorização a Madrinha Dodô para formar um grupo de guerreiro Homenageando o santo guerreiro são Jorge, desta vez só homem participando e ela autorizou.

Seu Jose Caetano primeiro chefe dos guerreiros já tinha experiencia na brincadeira porque brincou muito tempo reisado em alagoas, em santa Brigida ele fez adaptação para guerreiro e deu certo.

Foi formado portanto o grupo de homens para homenagear o santo Guerreiro São Jorge, que saiam às ruas nas festas de são Jorge, são Pedro e dias santos, com dois bandeirantes á frente de duas filas, no meio seu Jose Caetano sendo o Jorge e a única mulher Carmelita Manuncá sendo a Joana e portando espadas sem ponta, lutando e dançando ao som de hinos em homenagem a São Jorge e o  Santo daquele dia.

Vestiam roupas de cor verde com a morte do bandeirante Alvino mudaram para o azul marinho sempre  enfeitadas com miçangas e fitilhos dourados, chapéu de marinheiro, tendo uma roupa especial para festas de gala, a cor usada é branco com enfeites dourados.

Em 1964 um componente do grupo chamado Antonio Bispo deu ideia de colocar mulheres no grupo, porque ficava bonito o coro de vozes masculina e feminina e seu Jose Caetano concordou

Na década de 70 foi construída pela população católica a capela de são Jorge na rua Castro Alves, a imagem de são Jorge foi levado para sua capela e todos os anos acontece a festa com novena nos dias 20, 21, 22 e 23 de abril homenageando o santo guerreiro.

Na década de 80 seu Zezito Apostolo da Silva tornou-se o segundo chefe assumindo os guerreiros e a festa de são Jorge, inclusive inovando com novos componentes no grupo.

Fonte de pesquisa: Maria Jose, Didi e Maria Luz primeiras Guerreiras

Por: cidadefmsantabrigida.com.br